Por Nova Portugalidade
Posted: Updated:
0 Comments

Um povo de marinheiros e pescadores que dominou os mares e as rotas do comércio, erigiu feitorias, fortalezas, catedrais e cidades pelas sete partidas do mundo, juntou povos e pescou almas, produzindo um novo tipo de sociedade fundada na indistinção da raça, da cor e da etnia. Tão grande foi o sulco de tal empresa colectiva, que essa presença histórica não só deixou fortes testemunhos monumentais – marca indelével que a nação portuguesa soube espalhar no mundo – como produziu sociedades profundamente arreigadas a valores de fraternidade e destino comum que importa resgatar e promover num tempo em que a uniformidade, o desprezo pela riqueza e diversidade das culturas e das civilizações ameaçam a liberdade dos povos.

Related Posts

António de Oliva e Sousa Sequeira, nascido em 1791 em Casfreires (Viseu), foi Marechal de Campo,...

Magalhães – um dos insignes navegadores de que há memória – continua a estar no centro da polémica. É...

  “Um homem sem Polis ou é uma besta ou é um Deus.” Aristóteles   O que é afinal isso da “Polis”?...