Por Nova Portugalidade
Posted: Updated:
0 Comments
Portugal foi governado pela dinastia espanhola dos Habsburgos entre 1580 e 1640. Após a revolta dos portugueses em 1640, estes aclamaram a independência e Espanha declarou-nos guerra. A guerra foi longa e difícil. Durou 28 longos anos. Opôs Portugal ao maior império de então.

O novo rei português precisava de aliados na guerra e encontrou a solução no casamento de uma das suas filhas (Catarina) com o rei Carlos II de Inglaterra. A negociação do casamento foi muito difícil.

Carlos II tinha motivos para desejar, mas também para temer o casamento. Receava que isso pudesse reacender a guerra entre a Inglaterra e a Espanha.

Hoje, diríamos que saiu a sorte grande a Carlos II. Porquê?

A Inglaterra encontrava-se em grandes dificuldades financeiras e praticamente falida. Vinha de uma penosa guerra civil, que assolou o país e algum tempo antes disso, tinha estado envolvida na guerra dos cem anos com a França, (que durou mais de cem anos) e que fez nascer a “grande” Joana D´Arc.

E o que ganhou a Inglaterra com este negócio do casamento? O tratado de casamento foi assinado a 23 de junho de 1661, dando aos ingleses Tânger no norte da África e as sete ilhas de Bombaim na Ásia (nascia assim o domínio inglês na Índia, que pertenceu a Inglaterra até ao Séc. XX, até aparecer um Sr. chamado Ghandi) para além de privilégios comerciais no Brasil e nas Índias, liberdade religiosa e comercial em Portugal e dois milhões de coroas portuguesas!

Com isto, Portugal conseguiu (supostamente) apoio militar e naval contra a Espanha e liberdade religiosa para Catarina na Inglaterra, embora o efectivo apoio inglês tenha sido, no mínimo, bastante questionável.

O que é certo, é que com estes simples casamento, dava-se inicio à expansão e criação do império inglês.

Falta referir a enorme importância e repercussão que D. Catarina de Bragança, teve nos ingleses, como por exemplo a introdução do famoso chá das 5 que foi por ela instituído,uma orquestra de músicos portugueses que viajou com ela e foi por sua mão que se ouviu a primeira ópera em Inglaterra, a compota de laranja a que os ingleses chamam de “marmalade”, usando erradamente, o termo português marmelada, porque a marmelada portuguesa já tinha sido introduzida na Inglaterra em 1495. Influenciou ainda o modo de vestir, pois introduziu a saia curta. Naquele tempo saia curta era acima do tornozelo e Catarina escandalizou a corte inglesa por mostrar os pés, o que era considerado de “mau-gosto”.

A importância dela foi tal que foi dado pelos ingleses ao maior bairro de Nova York, um nome em sua homenagem e que provavelmente já ouviram falar, dado ser um dos mais importantes do mundo… Queens!

Cristiano Santos

 

Related Posts

Magalhães – um dos insignes navegadores de que há memória – continua a estar no centro da polémica. É...

Senhora von der Leyen, Candidata à Presidência da Comissão Europeia Lemo-la dizendo que «o seu...

No Século XVIII estados magrebinos como Tunis, Argel e Tripoli estavam verdadeiramente infestados...

Leave a Reply