Por Nova Portugalidade
Posted: Updated:
0 Comments
1. Nacionalismo, invenção do século XIX
Há em muitos portugueses uma cega entrega a tudo o que é originário do estrangeiro e uma atracção por aquilo que se diz cosmopolita, ao ponto de alguns “nacionalistas portugueses”, à custa de tanto copiarem aquilo que por lá fora tem curso, tenham convertido o “nacionalismo português” em autêntico nacionalismo anti-nacionalista. Trata-se de um pretenso nacionalismo que não passa de tradução atamancada de nacionalismos estranhos, ou seja, de nacionalização de tendências importadas.
Os nacionalismo alemão de Herder a Fichte, o francêsa de Renan, Taine e Maurras, e seus leitores ibéricos (Sardinha, Vázquez de Mella) são uma decorrente do Romantismo, acolá com maior sobrecarga mística, aqui e ali com maior aparato científico de Oitocentos. Sendo, para uns, uma doutrina fundada na evidência de uma realidade concreta, geradora de fortes sentimentos e afectos – o “estar aqui”- constrói-se teoricamente a posteriori sobre a evidência empírica. O nacionalismo nasce das pequenas coisas quotidianas, consolida-se nas grandes afinidades electivas comuns a um grupo e, só depois, se formaliza ideológica, jurídica e politicamente. É esta, sintomaticamente, a sua grande vulnerabilidade.
2. Da necessidade humana do mito
Ora, no debate a que temos assistido ao longo dos últimos tempos, julgamos que a media res virtuosa nos é facultada pela evidência de que o nacionalismo é um ponto de chegada histórico, uma certa concepção sobre a “razão de ser desta comunidade” e essa vontade de “a fazer perpetuar”.
Daí que as pátrias não se discutam: são o que são, produto do tempo e da mitologia que um grupo foi fabricando. Sabemos bem que estas afinidades são, quase sempre, produzidas pelo Estado, como lembram Benedict Anderson no seu clássico Comunidades Imaginadas, ou produto de um recitativo historiográfico, cívico e integrador, como Comment on Raconte l’Histoire aux Enfants, de Marc Ferro. Agarrem num grupo de crianças alemãs, digam-lhes deste pequenas que são togolesas e estas sentir-se-ão “naturalmente” togolesas até ao fim das suas vidas. E de facto, sê-lo-iam com grande coerência e convicção.
No percurso oitocentista deste nascimento da ideologia nacionalista, o factor língua+etnicidade+religião encontrou especial valorização em povos sem Estado submetidos a outros povos linguística, étnica e religiosamente distintos (lembramos os impérios Austro-Húngaro, russo e otomamo). Noutras paragens (França, Itália), valorizou-se a tríade língua+religião+”fronteiras naturais” para aprofundar as diferenças irredutíveis com os vizinhos. Para outros, ainda, o nacionalismo foi-se afirmando a partir do nada étnico, do nada linguístico e do quase nada religioso como uma ideia a posteriori saída do facto e da construção jurídica. É esse o caso espanhol, onde “nacionalismo” é sinónimo de “independentismo, separatismo, particularismo” e Espanha um “destino no Universal”, fórmula tão cara à oratória de José António.
3. Nacionalismo português
No que respeita aos portugueses, cumprimos aparentemente em toda a extensão uma fórmula que encheria de inveja os decantadores do nacionalismo canónico: uma só língua, uma só religião, uma só etnia, um território continental contínuo construído, não a partir de qualquer especificidade geográfica, mas definido pelo elemento humano ao longo de quase um milénio. Contudo, a tradição “nacionalista” e o seu justificativo seguiu outro rumo. A ideia de identidade/diferença da nação portuguesa consolidou-se, não no particularismo, mas numa ideia de Portugal que ultrapassa demarcadores tribais. Na Ásia, até 1820 (Revolução Vintista) eram “portugueses” todos os católicos vivendo na esfera de actuação do Padroado do Oriente, i.e, fora da jurisdição directa da Coroa. No Brasil, aplicava-se a mesma fórmula a todos quantos cumprissem os mesmos requisitos. O Liberalismo feriu essa identidade, reduzindo o universo da comunidade “portuguesa” à cidadania portuguesa. Não deixa de ser ABSOLUTAMENTE contraditório para muitos nacionalistas o facto de a ideia de um Portugal homogéneo haver partido dos adeptos do Liberalismo. Um nacionalismo português que repouse no tribalismo deixa de o ser, para passar a regionalismo no quadro do “destino universal” espanhol.
Portugal afirmou-se, pois, por uma ideia. Esbateu-se enquanto somatório de características de um pequeno grupo universalizou-se. Prova ? Os timorenses consideram-se portugueses ! Prova? Os católicos asiáticos invocam o seu “portuguesismo” para fundamentar a diferença perante os grupos envolventes. Prova ? No Senegal, em Casamansa, os separatistas reclamam-se de uma genealogia lusa. Prova ? Os judeus na Holanda, em Esmirna, em Istambul e na Crimeia afirmavam-se “portugueses”.
O sentimento português dispensa, pois, esse “nacionalismo”, posto que a nação portuguesa construída pelo processo histórico é múltipla na geografia (europeia, americana, africana, asiática), nas etnias que fez portuguesas e na forma como repele o racismo. Não há, pois, “nacionalismo” português que não seja cópia.
Miguel Castelo-Branco
Related Posts

  “Um homem sem Polis ou é uma besta ou é um Deus.” Aristóteles   O que é afinal isso da “Polis”?...

  Quando se fala em regionalização, raramente se sabe do que se está a falar, pois o termo é...

As Europeias são amanhã. Os portugueses perguntam-se sobre a utilidade dos vinte e um afortunados...

Leave a Reply