Por Nova Portugalidade
Posted: Updated:
0 Comments

 

Imagem de marca da capital e cartão-postal do país, o Banco Nacional de Angola (BNA) é um dos edifícios mais importantes da cidade, e domina a baixa luandense desde 1956, quando abriu portas com pompa e circunstância com o nome de Banco de Angola.

O projecto arquitectónico é de autoria do arquiteto português Vasco Regaleira que o desenhou com a régua e esquadro do chamado “Português Suave”, estilo arquitectónico muito ao jeito salazarista. O hall de entrada vinca bem esta marca imperial do Estado Novo português. Os painéis de azulejos nas cores azul e branco impressionam, e como pano de fundo, remontam à história das trocas comerciais entre portugueses e os povos de Angola, e das campanhas de exploração lusitana do território angolano.

 

 

O edifício é luxo extremo que custou aos cofres do estado português cerca de 50 mil contos na moeda antiga, o que equivalia, na época, a mais ou menos 2 milhões de dólares. Se hoje é muito, na altura era uma fortuna descomunal. Mas o resultado final valeu a pena. A escadaria de mármore, os quadros, o mobiliário de madeiras raras, os vitrais (no interior) e as colunas, arcadas, e a emblemática cúpula (no exterior) podem impressionar quem lhes der uma olhadela mais atenta. Por estas e outras razões, o edifício é Património Histórico-Cultural de Angola desde 1995.

 

 

A história do sistema bancário angolano remonta a 1865, ano em que abriu portas, em Luanda, uma sucursal do antigo Banco Nacional Ultramarino. Já no século XX, a 14 de Agosto de 1926, foi criado o Banco de Angola. Durante mais de 30 anos, foi a única instituição bancária em território angolano. A partir de 1957 (um ano depois da inauguração do edifício do BNA na marginal), e até 1975, tornou-se peça de um sistema que incluía vários bancos comerciais e instituições de crédito.

Com a Dipanda e o fim dos bancos privados, o Banco de Angola, rebatizado de Banco Nacional de Angola em 1976, voltou a ser a instituição bancária de referência de um país de economia planificada, a par do entretanto criado Banco Popular de Crédito. Em 1991, Angola transforma-se radical e convictamente em economia de mercado, com o BNA a assumir a função de banco central de um sistema outra vez aberto à banca privada.

Guilherme Carinha

Related Posts

Senhora von der Leyen, Candidata à Presidência da Comissão Europeia Lemo-la dizendo que «o seu...

No Século XVIII estados magrebinos como Tunis, Argel e Tripoli estavam verdadeiramente infestados...

1-Nas origens da tragédia O regicídio cultiva nas diferentes fileiras políticas um misto de...